sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Everything Has Changed - Capítulo 58


Capítulo 58

-Alo – uma voz insuportavelmente fina respondeu pelo telefone, Joe revirou os olhos.
-Ash – ele chamou com a voz embargada pelo choro – sou eu, Joe.
-O que houve? – ela perguntou com um tom de preocupação – e que numero é esse?
-É do Kevin – ele disse sem dar importância – eu esqueci meu celular em casa, ta muito ocupada hoje?
-Hm, não – ela disse e riu de alguma piada que tinham feito perto dela, comentou alguma coisa com alguém e voltou a atenção para Joe – desculpa, eu estou no estúdio e sabe como é o Rob…
-Podemos sair, Ashley? – ele a cortou.
-Isso é ciúme? – ela perguntou e Joe riu sem humor, ele não sentia nem um pouco de ciúme dela, mas não disse nada, deixou ela pensar que era – você sabe que não precisa ter ciúmes de mim, né, Joey – ele realmente odiava quando ela o chamava assim, cheia de charminho na voz – claro, a gente pode se encontrar, eu saio daqui umas oito horas, a gente pode ir jantar naquele restaurante…
-Não – ele a cortou de novo – não quero nada publico, eu posso te encontrar no seu apartamento?
-Hm, claro, amor – ela disse em um tom provocativo e Joe rolou os olhos.
-Ok, as oito no seu apartamento – ele confirmou – tenho que ir gravar, beijo.
-Te amo – ela disse mas ele já tinha desligado.
Joe voltou para o estúdio e continuou trabalhando com os irmãos, enquanto Demi estava aliviada por conseguir se esquivar das perguntas de L.A. sobre seu rosto inchado.
-Bem, foi um excelente e produtivo dia – L.A. disse recolhendo as partituras – mas é isso por hoje, já fizemos o bastante, terminamos as outras musicas outro dia.
-Tem certeza? – Demi perguntou – eu não estou cansada.
-É claro que não – ele se levantou – nessa idade vocês nunca se cansam, mas eu estou morto – ele sorriu.
-Ok então – Demi se levantou e pegou suas coisas – obrigada por tudo, e até.
-Até, Demi – ele sorriu.
Demi saiu da gravadora sem nem olhar pra trás, não queria encontrar Joe de jeito nenhum, por sorte conseguiu pegar um taxi rapidamente, e foi pra casa descansar.
Joseph chegou em casa intrigado mas decidido a terminar o namoro, ele não queria fazer Demi sofrer, ele queria fazê-la feliz, ele estava disposto a reconquistá-la.
-Joe – seu pai o chamou – você acabou de chegar e já está saindo.
-Desculpa, pai – ele disse guardando a carteira no bolso e pegando as chaves do carro – eu vou encontrar a Ashley – riu forçadamente.
-Nossa, que felicidade pra quem vai encontrar a namorada – Paul comentou ironicamente – tá tudo bem entre vocês?
-Não – ele disse e desabou – eu não a amo, nunca amei, eu tentei esquecer a Demi mas eu não consigo, eu simplesmente não consigo, e agora que ela está de volta, é impossível insistir com a Ashley porque eu olho pra ela e imagino a minha Dems.
Paul apenas olhou para o filho com pena, ele estava visivelmente abalado com tudo aquilo, ele limpou a garganta e disse:
-Sinto muito, filho, mas acho que você não vai poder terminar com a Ashley agora – Joe o encarou confuso – quer dizer, se você realmente não estiver aguentando mais, termine, é direito seu e a ultima coisa que eu quero é ver você mal, mas essas sua compostura afeta a imagem da banda, afeta o seu trabalho, quero dizer, namorar, terminar, o tempo todo, pense bem antes do que vai fazer, a mídia não vai te perdoar dessa vez.
Paul saiu deixando seu filho pensativo, ele não sabia o que fazer, seu pai estava certo, a imagem da banda estava em jogo, mas e a sua felicidade? Pra ser feliz, a Demi tem que estar feliz, ele pensou, se lembrou do que seu irmão dissera “você só faz mal a Demi, devia deixá-la em paz, um dia ela vai te superar”.
Pegou suas coisas e foi para o apartamento de Ashley, ficou quase meia hora dentro do carro decidindo o que fazer, quando sentiu que não tinha mais jeito resolveu subir.
-Amor, você demorou – ela praticamente saltou no colo dele quando abriu a porta – tá tudo bem?
-Sim – ele mentiu e deu um selinho nela.
-Tem certeza? – ela disse enquanto ele entrava no apartamento e se sentava no sofá – você não parece nada bem.
-É que eu – ele respirou fundo e encarou ela triste.
Ashley pulou em cima dele e começou a beijá-lo como se sua vida dependesse daquilo, por instinto ele a puxou pela cintura e aprofundou o beijo, ela sorriu e apertou a nuca dele, e nesse instante tudo que vinha na cabeça dele era a imagem de Demi, tudo que ele sentia era o cheiro dela, ele estava fazendo isso de novo, beijando sua namorada e pensando em outra garota, resolveu tentar deixar os pensamentos de lado e focar em Ashley, “vai que funciona”, ele pensou, e então tomou um impulso e a empurrou, ficando em cima dela no sofá.
-Eu te amo – Ashley disse ofegante e o encarou.
Joe ficou imóvel encarando-a, no lugar dos olhos castanhos avermelhados, dos cílios escuros e marcados, do sorriso perfeito e do furinho no queixo que ele tanto amava, ele encontrou uma estranha, ele nunca havia reparado em nada do rosto da sua namorada, nunca tinha entrado no quarto dela no meio da noite para observá-la dormir, nunca tinha passado horas jogando conversa fora, aquela garota ali não era dele, ele não a conhecia.
-O que houve? – ela perguntou ainda acariciando a nuca dele – eu fiz alguma coisa de errado?
-Não – Joe sussurrou – desculpa, Ash, eu não posso mais mentir pra você – ele saiu de cima dela e se sentou no sofá.
-É ela, não é? – Ashley perguntou, mas ela não estava brava, estava tentando entender tudo – é a Demetria.
-Desculpa, Ashley, desculpa mesmo – ele se desesperou – eu não queria, eu só não consigo esquecê-la, eu nunca senti o que eu sinto por você o que eu sinto por ela.
Ashley abaixou a cabeça com lágrimas nos olhos, ouvir aquilo foi como levar um soco no estomago, o nó em sua garganta a sufocava violentamente, ela não sabia o que dizer.
-Você vai terminar comigo e vai atrás dela? – ela perguntou, sua voz quase não saia.
Joe sentiu um aperto no coração, era sempre assim, ele sempre fazia as meninas sofrerem, ele não aguentava mais isso, deixar Demi em paz pra ela ser feliz, tentar ser feliz de verdade com Ashley e ao mesmo tempo, manter uma boa imagem para a banda, essa lhe parecia uma boa alternativa.
-Depende – ele disse e suspirou pesadamente – eu não quero terminar com você, eu não quero ir atrás dela, eu quero que a gente dê certo e eu quero tentar de verdade, se você me perdoar a gente pode fazer isso, se não, eu vou entender, eu te fiz muito mal.
Ashley levantou o olhar e encontrou Joe a encarando, ele estava falando a verdade, e ela o amava, ela voltou a olhar pra baixo e brincar com os dedos.
-Eu te amo, Joe – ela disse e o encarou – e eu também quero que dê certo.
Ele sorriu e a puxou pela cintura beijando-a intensamente, se concentrou para as imagens de Demi não lhe tirarem a atenção, forçou a pensar somente em Ashley, eles jantaram juntos e deitaram na rede que tinha na varanda para conversar.
-Sabe, eu não te conheço – ele disse, Ashley, que estava deitada ao seu lado com a cabeça apoiada em seu braço levantou o olhar confuso – eu não sei quase nada sobre você.
-O que você quer saber? – ela perguntou brincando com os dedos dele.
-Sua cor favorita? – ele perguntou e ela riu.
-Achei que você quisesse saber coisas mais profundas sobre mim – debochou – é rosa.
-Rosa? – ele torceu o nariz – que fofo – ironizou.
Eles riram juntos e passaram o resto da noite assim, fazendo o que era pra ter sido feito há meses, conhecendo um ao outro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário