quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Everything Has Changed - Capítulo 57


Capítulo 57

-Claro, o Mike – Eddie disse sorrindo – boa lembrança, ele é um excelente guitarrista.
-Ótimo – L.A. disse – ele é daqui?
-Não, ele é o marido da minha irmã, e eles estão no Brasil – Demi explicou com receio de Mike não poder participar por estar longe – mas ele está disposto a largar tudo e vir pra cá, ele já tem uma carreira estabilizada lá, mas musica sempre foi sua paixão.
-Entendo – L.A. disse – é sempre assim, você pode ser o cara mais rico do mundo em qualquer outra área, mas se você tiver o chamado para musica, sempre vai se sentir incompleto – Demi olhou para os pais com uma cara de “eu sempre falei isso” – bom, nós podemos começar antes dele, eu chamo um substituto enquanto o Mike se organiza para vir, temos muito o que fazer Demi, precisaremos de uma ótima publicidade até você conseguir se manter.
-Você acha que tem como? – Demi perguntou com medo – quer dizer, eu vou começar do zero, eu vou entrar do nada nesse meio, eu nunca fiz nada profissionalmente.
-Você tem tudo que a gente precisa – L.A. disse ajeitando os óculos e dando um sorriso – é bonita, carismática e extremamente talentosa, com o repertório certo você vai longe, com certeza milhões de pessoas vão se identificar com a sua musica.
-Era isso que eu queria dizer – Demi se ajeitou na cadeira em frente a mesa de L.A. – eu quero que as pessoas se identifiquem com o que eu vou cantar, eu quero que elas veem que a minha musica pode ajudá-las.
-Eu entendo – ele sorriu mais – isso é raro hoje em dia, na maioria dos casos, as pessoas querem apenas fama, mas pra isso seria bom se você tivesse suas próprias musicas, você compõe?
-Sim, mas eu nunca mostrei pra ninguém, então não sei se são boas – Demi deu um sorriso amarelo.
-Posso ver? – L.A. perguntou.
Demi pensou em dizer que não estavam ali, mas Dianna desmentiria, com certeza, porque todos sabiam que Demi andava com uma agendinha pra cima e pra baixo, e ali estavam todas as suas canções, então a menina apenas sorriu e disse:
-Claro, mas por favor, seja sincero, se não forem boas, eu vou entender – ela revirou a bolsa e pegou o caderninho.
-Claro, Demi, esse é o meu trabalho – ele sorriu e estendeu a mão para pegar o objeto, abriu e ficou lendo durante longos minutos.
-E então?- Demi perguntou depois que já havia estalado todos os dedos da mão e agora estava esmagando cada um deles.
-Demi, isso é – L.A. fez uma pausa e retirou os óculos, pressionou os olhos como se descansasse a vista, colocou os óculos novamente e encarou a menina a sua frente, a ansiedade estava estampada no rosto dela – ruim – o sorriso de Demi se desfez, ela perdeu o chão por alguns segundos – é ruim por que vai ser quase impossível escolher apenas doze faixas daqui, todas as letras são incríveis, parabéns.
-Nunca mais faça isso de novo – Demi disse pausadamente com pondo a mão no coração – eu quase enfartei – eles riram juntos – e quando a gente começa a gravar?
-Quando as letras tiverem melodia – ele disse – e isso tem que ser rápido.
-Eu fiz melodia pra todas elas – Demi sorriu sem jeito e L.A. se surpreendeu – eu posso te mostrar e a gente já decide algumas.
-Isso vai ser ótimo – ele disse.
Demi passou o resto da tarde variando entre um violão e um piano, mostrando musica por musica para seu novo produtor, eles mudavam o que era necessário e Demi não reclamava quando ele interferia em algum acorde ou parte da melodia, Dianna e Eddie haviam voltado pra casa, deixaram a filha trabalhando na gravadora, essa seria a nova rotina da família, com certeza.
-Uma pausa? – L.A. perguntou, ele já havia parado algumas horas antes para ir até a cantina, mas ela continuava ali trabalhando nas musicas.
-De semínima – Demi disse encarando a partitura.
-Não, Demi – ele sorriu – digo, uma pausa de verdade, pra tomar um café, uma água, ir ao banheiro, já é tarde.
-Mas eu quero tanto terminar – ela choramingou.
-Quando a gente dá uma pausa, o trabalho rende mais – ele disse sorrindo – isso é comprovado.
-Ok – Demi se levantou – quer alguma coisa?
-Não, ainda me sinto satisfeito com o que eu comi aquela hora – ele pegou a partitura da mão dela – vai, relaxa, eu continuo aqui.
Demi entrou no elevador encarando as mãos, ela pedia mentalmente para não encontrar Joseph na cantina, por isso ela tinha adiado tanto, sabia o horário que ele costumava ir lanchar quando estavam gravando, com certeza ele já teria feito seu lanche.
-Mas como eu sou azarada – Demi disse pra si mesma sorrindo – ele vai estar lá.
Ela entrou na cantina e foi direto para o caixa, sorriu ao ver que tinha pão de queijo, pediu duas porções, um cappuccino e duas barras de cereal, se virou sem levantar o olhar, se manteve escondida pelo cabelo, e foi até a mesa mais afastada, se sentou e respirou fundo, ótimo, nem sinal dele. Colocou a refeição a mesa e começou a saborear o pão de queijo, “tem gosto de Brasil” ela pensou e sorriu.
-Até que enfim – uma voz familiar a despertou, alguém com uma bandeja entrou em seu campo de visão e se sentou à sua frente.
-O que você tá fazendo aqui? – Demi cuspiu as palavras.
-Eu vim fazer um lanche com você – Joe sorriu – fiquei te esperando do outro lado da cantina por horas, achei que viria mais tarde pra não me encontrar mas não pensei que enrolaria tanto, eu estava morrendo de fome, sabia? – Demi deu um sorriso hiper irônico e levantou com as suas coisas na mão, Joe a puxou pela braço e a olhou bem nos olhos – fica, por favor – ele pediu com uma carinha triste, Demi respirou fundo e se sentou de novo.
Eles permaneceram em silencio durante um bom tempo, Demi mexia a perna freneticamente, deixando claro seu nervosismo, ela pensava o quanto odiava esse efeito que ele deixava sobre ela.
-Tá nervosa com alguma coisa? – ele quebrou o silencio tomando um pouco da sua coca-cola.
-É, to – ela disse e o encarou – eu tenho muita coisa pra fazer ainda e to preocupada - mentiu.
-Você vai se sair bem, Dems – ele segurou a mão dela – você é boa, acredite no seu trabalho.
Ela encarou as mãos dele segurando as dela, uma corrente elétrica percorreu todo o seu corpo, ela ficou ainda mais nervosa, podia jurar que ele ouvia as batidas de seu coração.
-Obrigada – ela se apressou em dizer e puxou sua mão de volta, mantendo-a embaixo da mesa.
-Dems – ele chamou e ela olhou furiosa, aquele apelido não facilitava as coisas, ele percebeu mas ignorou, continuou com o semblante sério – você acha que a gente ainda tem chance?
Ela ficou ainda mais furiosa, a culpa daquilo tudo era dele, com certeza, a vontade dela era de gritar que o comprometido era ele, não ela, que quem havia dificultado era ele, não ela, mas a menina apenas olhou pra baixo e respirou, lembrou do que todos diziam, “tem que ter paciência com ele”, levantou o olhar e encontrou um Joseph completamente esperançoso.
-Não sei – encarou o copo a sua frente, pegou as duas barras de cereal e se levantou – pergunta para a sua namorada.
Ela caminhou em direção a saída da cantina, esperou que ele viesse atrás dela mas ele não se moveu, correu até o elevador e apertou o botão na esperança de que ele descesse logo.
-Demi – ela o ouviu correndo pelo saguão, ele parou em frente a ela e a porta do elevador se abriu.
-Eu só não sei por quanto tempo eu vou esperar a sua boa vontade – ela disse e entrou no elevador chorando.

5 comentários:

  1. joe precisa tomar uma atitude urgente!!
    ta perfeitoooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo postaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa maisssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né ? Joe tá muito bundão, enquanto o Nick é sempre muito fofo...

      Excluir
  2. que vontade de bater no joe,coo assim ele ainda não terminou com a vaca verde,pra ficar com a gatona da demi??
    enfim ta perfeito posta logooooooooooooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele tem que tomar logo uma posição, a Demi não vai ficar esperando ele pra sempre! E essa Trashley, af.

      Excluir
  3. Descuuuuulpa... Eu só vi a sua fanfic agora (em 2014) mas eu vou comentar do mesmo jeito 💪💪💪

    ResponderExcluir